Efetividade e cultura trabalhística

A efetividade do trabalhador brasileiro é 209% superior a de um trabalhador indiano, e 120% superior a de um trabalhador chinês. E para alçar o melhor, devemos nos comparar aos melhores, não? Ou pelo menos quem está na nossa realidade. Para alcançarmos a efetividade de um trabalhador estadunidense, precisamos de 4 brasileiros! 4 Brasileiros! E para alcançarmos a efetividade de um trabalhador chileno, precisamos de 2 brasileiros! A produtividade, ou efetividade de um trabalhador é resultado da qualificação do funcionário, educação do país, condições de vida, cultura, e modo como a sociedade encara o trabalho. E acredite, neste último aspecto somos os piores.

Teremos 12 feriados nacionais, na qual 11 cai em dias de semana. Mais 32 feriados estaduais. Nós estamos perdendo 4,8% de toda a produção industrial planejada para 2015, e os custos podem chegar a R$64,6 bilhões somente em 2015. E para o governo, cada feriado custa em não geração de impostos R$964 milhões. Estes números são tão absurdos e ilustram um cenário de ostentação, quando o cenário econômico é de recessão e crise. O brasileiro, mesmo tendo em vista tudo isto, mantém em sua cultura os péssimos hábitos de pedir por feriado, e indignar-se quando o governo não o concede.

Hoje a prefeitura de Palmas não concedeu nem ponto facultativo nem feriado. Começando que Corpus Christi nem feriado deveria ser, para honrar o artigo 19° da constituição federal, impondo o Estado Laico no Brasil. Bem, isso é assunto para outros textos… Apesar disso, o servidor público palmense está decepcionado e indignado pela decisão do prefeito. Decisão essa que continuará a geração de ICMS (imposto mais prejudicado com feriados), e principalmente, com o capital circulando aqui dentro da cidade. Trabalhadores em seus trabalhos, gerando uma produção e mantendo a cidade ativa é importante para qualquer economia municipal que pretende desenvolver-se a passos largos. Já os servidores estaduais terão ponto facultativo até na sexta. Agora me diga, qual é o estado, país, continente, região, bloco comercial que desenvolve-se com pausas prolongadas e funcionários não dedicados a aprender, aumentar sua efetividade e trabalhar feliz? Nenhum.

O brasileiro encara o trabalho de forma muito repulsiva, e o vê como uma obrigação. Isto é ensinado de geração para geração, e repetida há tempos. O brasileiro não vê o emprego como uma maneira de ascensão social e de crescimento econômico pessoal, mas sim como algo negativo, na qual está ali obrigado e sem progressões futuras. Uma visão tão retrógrada e ignorante que garante ao Brasil ter uma base de mão de obra semi-qualificada, abundante, mas extremamente inefetiva. Há coisas neste país que cabe a iniciativa do governo para serem solucionadas, e há outras que dependem diretamente da mudança interna do povo. Esta mudança é o pilar de novas mudanças. Mas como dito, depende da iniciativa de cada um.

G-14

Anúncios

Opina, comente! Seja livre para dar sua opinião nesta postagem de A Alma Política

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: